segunda-feira, setembro 27, 2021

Primeiro evento em 10 anos no Papódromo marca volta do público a concertos da OSRN

Espaço reformado abriga sala de ensaios da orquestra, além de palco, camarim, camarote, arquibancadas, banheiros e estacionamento para 150 carros.

Imagens: Reprodução

Após mais de um ano com apresentações virtuais, a Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte – OSRN voltou para perto do público neste domingo (26) em concerto realizado no anfiteatro do Espaço Cultural João Paulo II – Papódromo. É o primeiro evento em dez anos no espaço recém reformado pelo Governo do RN, por meio do Governo Cidadão.

No fim da tarde, antes que as primeiras notas soassem, a governadora Fátima Bezerra abriu o evento, realizado pela Fundação José Augusto.

“Hoje, 30 anos após a construção desse equipamento – que foi considerado um ‘elefante branco’, ocioso, estamos aqui para uma espécie de reinauguração. Momento de muita felicidade, porque marca também a volta das apresentações presenciais", disse, ao lado do vice-governador, Antenor Roberto, ao destacar que trata-se também da nova casa dos músicos.

O equipamento agora abriga também a sala de ensaios da orquestra, além de palco, camarim, camarote, arquibancadas, banheiros e estacionamento para 150 carros.

"Um gesto de reconhecimento pela dedicação e contribuição do ponto de vista cultural da orquestra para o RN. Essa casa é de vocês, para que tenham aqui um ambiente acolhedor, digno", declarou a governadora, ao anunciar a proximidade da entrega de outra importante obra para a Cultura e o Turismo do estado, o Forte dos Reis Magos.

A volta da Orquestra Sinfônica acontece através do projeto Movimento Sinfônico, de forma gratuita, mas de maneira controlada e restrita (soft opening), com os protocolos de segurança exigidos em decreto estadual Nº 30.911, de 16 de setembro, com uso obrigatório de máscara e comprovante de vacinação.

O maestro Linus Lerner quebrou a tradição de falar somente após a primeira música e agradeceu à governadora e a todos que contribuíram para que o espaço ficasse pronto.

A canção de abertura, “La Forza del Destino”, de Giuseppe Verdi, é propícia ao momento atual, segundo o maestro. "Porque talvez por força do destino por sorte ou por razões que nem conhecemos estamos vivos aqui no meio ou no fim de uma pandemia", lembrou, destacando que em 2021 a obra completa 160 anos.

Também foram executadas a “Sinfonia do Novo Mundo”, de Antonín Dvorák; George Bizet, com a ópera Carmem Suite 1 & 2 (1875); Jules Massenet, em Meditação de Thais (1894), executada pelo spalla e solista da OSRN, André Kolodiuk; Batuque (1891), de Alberto Nepomuceno; West Side Story Selections (1957), de Leonard Bernstein, inspirada na obra de Romeu e Julieta; Dança Eslava (1878), de Antonín Dvorák; e a bossa nova Garota de Ipanema (1962), composta por Antônio Carlos Jobim e letrada por Vinícius de Moraes.

O projeto Movimento Sinfônico teve patrocínio via incentivo fiscal da Cosern e Instituto Neoenergia, mediante Lei Câmara Cascudo do Governo do Estado do RN, da Unimed Natal, Hospital do Coração e Prefeitura do Natal, por meio da Lei Djalma Maranhão.

📌Lembre-se: higienize as mãos sempre que necessário com água e sabão ou álcool em gel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário