sexta-feira, setembro 04, 2020

Esportivo e luxuoso, Mini Cooper ainda é sucesso no país


Confira nosso artigo e conheça mais sobre a história desse excelente veículo
Imagem: Divulgação Mini Cooper


O Mini Cooper 2020 é um dos carros mais icônicos do mercado. Originalmente introduzido no final dos anos 1950, o hatch compacto ainda reina supremo entre os modelos premium de "imagem". Essa é uma boa proposta para quem busca um carro diversificado, com o requinte de uma marca de luxo, e até mesmo um esportivo em versões mais caras.
A atual linha MINI Cooper 2020 pode ser encontrada em várias configurações diferentes no mercado nacional. Isso inclui a escotilha do MINI 3 portas, a escotilha do MINI 5 portas, o MINI conversível e o "picante" MINI John Cooper Works, que sempre tem uma carroceria de três portas. Há também os merecidos Clubman (station wagon) e Rodak (crossover). Por R $ 126.990, você pode escolher a configuração MINI Hatch mais acessível. Do outro lado do catálogo, como exemplo, está o MINI John Cooper Works 2020, que custa R $ 189.990 (ou exatamente R $ 55 mil a mais). Há também o MINI Conversível 2020 por até R $ 188.990.

A história do Mini Cooper começou em 1959 com um modelo clássico quando Sir Alec Issigonis projetou o primeiro modelo para a British Motor Company (BMC), dando origem ao Austin Seven e ao Morris Mini-Minor.
Seu desenvolvimento foi causado pela crise do Canal de Suez, que forçou os preços do petróleo e exigiu o surgimento de carros mais econômicos no então Império Britânico. O projeto começou em 1956, um ano após que a Volkswagen deixou de lado o design do EA48, um carro com dimensões e estilo muito parecidos com o futuro Mini.

A chamada Mini Mark I durou até 1967 e se distinguiu por aros de aço de 10 polegadas e apenas 3,05 metros. Esta e a próxima geração, Mark II, foram vendidas sob duas marcas BMC, Austin sendo mais popular e Morris mais sofisticado. Não apenas uma pequena escotilha de duas portas foi feita, mas também várias variantes, incluindo caminhonete, van, sedan e perua. Foi montado na Austrália, exceto na Grã-Bretanha. Ele também tinha as marcas Innocenti, Riley e Wolseley. Mas se Cooper já havia se tornado um culto na Inglaterra, ele ganhou ainda mais fama mundial na geração Mark II.

Além das duas fábricas na Grã-Bretanha, o Mini Cooper também era fabricado na Bélgica, Nova Zelândia, Portugal, África do Sul, Iugoslávia, Espanha, Malásia e Chile, mas foi neste último que o Mark II ganhou fama, sendo feito de uma carroceria de fibra de vidro, tornando-o ainda mais leve. Os ADO 20 ou Mark III também foram produzidos em alguns desses países, os primeiros a terem sua própria marca Mini estampada. O Mini Cooper Mark III também permitiu ao fabricante italiano Innocenti desenvolver modelos na plataforma inglesa, mas projetados por Bertone, incluindo um modelo para De Tomaso. Em 1976, a British Leyland - surgida após o fim do BMC - encomendou a quarta geração. Com pequenas evoluções, surgiram as gerações Mark V, VI e VII, sendo esta última a última do modelo clássico que morreu oficialmente em 2000.

O Mini Cooper sempre teve motores pequenos de 0,9 a 1,3 litro, além de caixa automática de quatro marchas, igual à versão manual. Mas a saga continuou depois de 1999.  A nova geração do Mini Cooper tinha uma caixa de câmbio CVT e duas opções manuais, com cinco ou seis marchas. A segunda geração do modelo moderno evoluiu em termos de estrutura e contou com um motor Prince de origem PSA. Nascido em 2006, este último Mini Cooper tinha motores 1.4 e 1.6, bem como 1.6 turbo, bem como um motor diesel Peugeot e motor diesel BMW 2.0. Em ambas as gerações, o modelo teve a mesma distância entre eixos: 2,47 m. Então, em 2013, a BMW lançou a terceira e atual geração. Também produzido na Holanda pela NedCar, o modelo é produzido na plataforma UKL e usa motores BMW série B. Foi o primeiro Mini a ser equipado com um motor de três cilindros. Ao contrário das gerações anteriores, incluindo o modelo clássico, o atual Mini Cooper tem duas carrocerias, uma curta com duas portas e uma longa com quatro entradas, medindo de 3,82 m a 3,98 m.

O Mini Cooper 2020 tem um estilo único e inimitável, intimamente relacionado com o clássico dos anos 50. Apesar de sua harmonia com o presente, ele reflete muito bem a cultura inglesa dos anos 60. A aba curta e curta tem uma frente charmosa com faróis arredondados perfeitos com LEDs diurnos. A grade arredondada com detalhes em cinza dá ao Mini Cooper 2020 um estilo dos anos 60, embora tenha um para-choque muito envolvente com faróis de neblina e entradas de ar proeminentes.

Espelhos redondos e colunas retas também chamam a atenção, assim como um teto que parece precisar de ajustes e o modelo tem bastante. Na parte traseira, a lanterna LED é amendoada com detalhes cromados. A capa também pode ser personalizada e a capa protetora no JCW pode ser simples ou muito resistente.
Existem muitos estilos de jantes de liga de alumínio, das mais elegantes às mais desportivas. Detalhes nos para-lamas dianteiros também aprimoram a aparência do Mini Cooper 2020.

Por dentro, o modelo chama a atenção com um grande elemento circular, que abriga o sistema de áudio e multimídia. Abaixo está o controle digital do ar condicionado, bem como botões estilizados para diversas funções. Outra característica é o pequeno volante com controles embutidos, bem como a marcha analógica acoplada à coluna de direção, sempre visível para o motorista. Há também um HUD e um console de mudança de marcha elevada, bem como um comando de navegação.

O modelo recentemente ganhou uma transmissão de dupla embreagem de sete velocidades em vez de uma automática de seis velocidades. Os assentos têm encostos de cabeça redondos e o espaço geral é muito apertado, assim como o porta-malas.


Gostou deste artigo? Então compartilhe em suas redes sociais, para que mais pessoas conheçam o esportivo e luxuoso, Mini Cooper!

📌Lembre-se: higienize as mãos sempre que necessário com água e sabão ou álcool em gel.



Nenhum comentário:

Postar um comentário