sexta-feira, agosto 13, 2021

Deputada Natália Bonavides solicita ao ministro da Educação informações sobre a redução do orçamento das instituições federais de ensino para 2022

Imagem: reprodução

A deputada federal Natália Bonavides (PT/RN), juntamente com a deputada Marília Arraes (PT/PE), solicitou ao ministro da Educação, Milton Ribeiro, por meio de requerimento de informação protocolado na Câmara dos Deputados, informações sobre a redução orçamentária para as instituições federais de ensino em 2022.

Em audiência pública realizada na Comissão de Educação da Câmara Federal, no dia 09 de agosto de 2021, a partir de requerimento feito pelas duas parlamentares, foi informado que o Ministério da Educação enviou ofício para a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) tratando da proposta orçamentária para 2022 e informando a possível redução de cerca de 15% do orçamento da universidade para o exercício financeiro de 2022, o que corresponde a uma diminuição de aproximadamente R$ 18 milhões para custeio.

“Precisamos enfrentar os cortes sistemáticos e a política de diminuição do financiamento da educação pública. Caso não seja freado esse estrangulamento das instituições de ensino provocado por Bolsonaro e seus aliados, muitas delas não conseguirão dar continuidade às suas atividades. Não é possível que o MEC reduza os recursos das universidades e institutos federais justamente quando é preciso investir em políticas de assistência estudantil e segurança sanitária para garantir a permanência dos estudantes. Aqui no RN temos um instituto federal em que mais de 90% dos estudantes vivem em situação de vulnerabilidade social, que ampliou com a pandemia. São nesses estudantes que precisamos pensar e garantir recursos para que continuem seus estudos. Seguimos vigilantes e não vamos tolerar mais cortes”, pontuou Bonavides.

“Os sucessivos cortes nos orçamentos das instituições federais de ensino superior trouxeram prejuízos graves durante os últimos anos, em especial em 2021, quando além do contingenciamento e cortes gerais, houve uma redução drástica no total de recursos da LOA. Estamos lutando pela recomposição destes recursos ao mesmo tempo em que precisamos frear qualquer nova tentativa de cortes para 2022. É preciso destacar que se as atividades presenciais estivessem acontecendo, boa parte das universidades e institutos federais não estariam mais conseguindo pagar contas básicas e teriam fechado suas portas. Em 2022, com a possibilidade real da retomada das aulas e atividades presenciais nos campi de todo o país, incluindo os do Nordeste, ou mudamos essa realidade orçamentária ou veremos uma verdadeira tragédia acontecer, com o fechamento de instituições e o abandono de milhares de alunos. Por isso vamos acompanhar de perto e exigir respostas concretas do Ministério da Educação”, destacou a deputada Marília Arraes.

A Lei Orçamentária Anual de 2021 já trouxe um corte de R$ 1 bilhão que atingiu as 69 universidades federais espalhadas pelo país. No Rio Grande do Norte, entre orçamentos de custeio e de capital, a UFRN tinha R$ 176 milhões em 2018 e tem para 2021 apenas R$115 milhões. De acordo com a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), o orçamento discricionário das universidades federais em 2021 correspondeu a 40% do valor corrigido do orçamento de 2014.

📌Lembre-se: higienize as mãos sempre que necessário com água e sabão ou álcool em gel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário